6 de nov de 2007

Cap 3: Um encontrão do destino (Cris)

_ Como foi a coletiva? _ Rebeca me perguntou, enquanto segurava o fone no ouvido e discava um número.

_Foi chato. Aquele cara é um acerebrado. Não sei como as fãs podem gostar desse Igor... _ coloquei minha bolsa na mesa e puxei a cadeira mais para a frente.

_Então, você vai ter que engoli-lo mais um pouquinho...

_Por quê? _ franzi a testa e liguei meu computador.

_Peraí... _ ela apontou para o fone e fez sinal de que estava ocupada.

Rebeca me passou um bilhete da minha editora-chefe.

_ “Cris, tem um lançamento de linhas de terno hoje. Vá cobrir.” _ li aquilo e não entendi o que tinha a ver com Igor.

_Ele está na campanha dos ternos? _ perguntei assim que ela desligou.

_Não! Mas vai ter várias figurinhas carimbadas lá, inclusive ele.

_ Hum... _ levantei as sobrancelhas e continuei lendo o bilhete em voz baixa. _ Que isso? Vai ser um baile de máscaras?!

_Pois é. Será uma daquelas festas estranhas... Por isso ela quer que você cubra.

_Eu não me formei para isso...

_Pare de reclamar. Vai comer bem, ouvir música, se der, agarre um deles...

_Ah! Claro, entre uma pergunta e outra eu digo: “Posso te dar um beijo agora?”

_Não, né?! _ Rebeca riu e começou a concentrar-se no que escrevia no seu computador. Preferi deixá-la quieta.

***

Eu sabia todas as regras sobre como se vestir em uma ocasião de cobertura jornalística. Cores sóbrias, brincos curtos, poucos acessórios, cabelo preso. Ou seja? Quase uma fantasia de “mulher invisível”. Mas, naquela noite, eu queria justamente subverter. Acho que isso era conseqüência da minha falta de vontade de trabalhar àquela hora. Quem sabe uma compensação. Coloquei um vestido vermelho, deixei o cabelo solto com alguns cachos feitos rapidamente com escova e secador e calcei um salto alto.

Chegando à festa, me vi em volta de muitos homens e mulheres mascarados. Neste instante, me dei conta de que estava destoante. Mas, afinal, eu estava ali como jornalista e não como convidada. Portanto, não havia porque me preocupar em não ter máscara.

Depois de um tempo, consegui uma brecha para ter a atenção do estilista responsável pela coleção do evento. Precisava apurar alguma fala que corroborasse o meu texto:

_ Olha, a nova tendência agora é ousar mesmo. Os executivos precisam estar vestidos modernamente. Por exemplo, os tecidos listrados e os padrões xadrez estão com tudo. Não vejo porque continuar insistindo no basicão: ternos escuros, lisos e sisudos. Os riscados não estão só no verão brasileiro, mas aparecem demais na coleção de inverno Europeu. Quer ver uma inovação que eu acho maravilhosa? O tradicionalíssimo xadrez príncipe-de-gales, aquele que tem linhas cruzadas em diferentes tons, agora tem riscos coloridos.

Enquanto eu anotava tudo vertiginosamente para não perder nenhum detalhe, algo estranho ocorreu. Digo estranho porque, no primeiro momento, pensei ser coisa da minha cabeça. Por cima dos ombros do meu entrevistado vi um homem forte, bebendo junto à mesa de frios. Ele olhava fixamente para mim. Sim, eu conferi muito bem, ele olhava para mim! Não dava para saber qual era seu rosto, tudo por causa daquelas benditas máscaras!

Eu segurei para não rir e mantive meu ar de seriedade, olhei fixamente para o homem que não parava de falar:

_... Mas a modernidade do terno está no corte. Veja que agora os homens estão cuidando do corpo e não querem escondê-lo. Isso alterou o paletó! Ele agora é mais curto e menos folgado. A calça é um pouco mais apertada e a cintura também abaixou.

_Muito obrigada. _ agradeci e o fotógrafo que estava comigo tirou uma foto do estilista.

_Como alguém tão gay pode entender de homens? _ Iuri perguntou-me, enquanto via o resultado das fotos na câmera digital. _ Eu quase pedi para ele desenhar meu futuro terno de casamento.

_É, eu tentei não rir do jeito que ele mexia as mãos. _ balancei a cabeça para os lados. _ Eu preciso ir ao banheiro. Segura o bloco para mim? _ pedi.

_Vai nessa. _ ele guardou no colete cheio de bolsos.

Na volta, um incidente aconteceu. Aliás, ainda me pergunto se eu tivesse demorado mais alguns minutos no banheiro a minha vida teria sido alterada do mesmo jeito.

Eu estava esperando para secar a mão em um daqueles secadores a vapor, mas havia tantas mulheres na fila, que preferi pegar um pedaço de papel e resolver meu problema. Estou ressaltando o detalhe para verem como eu poderia ter demorado mais alguns minutos no banheiro e, no entanto, sai antes do previsto.

Caminhei apressadamente e, na hora que virei o corredor, esbarrei em um homem que derramou toda sua bebida na minha roupa.

_Ai meu Deus! _ balancei as mãos que respingaram o líquido vermelho no ar. _ Olha o que você fez!

_Desculpe... Desculpe. _ ele se aproximou.

_Você não enxerga por onde anda?! _ perguntei irritada e levantei os olhos.

Era o homem que estava me olhando naquela hora! Senti uma onda de vergonha e depois de raiva.

_Eu não enxergo por onde ando? Você quem virou do nada. Não se vira “do nada” uma curva.

_Querido, isso aqui não é uma avenida de carros que tem privilégio para uma ou outra mão! _ lembrei-o.

_Exato, então, por que está jogando a culpa toda em cima de mim?

_Por que será? Por que agora eu estou toda ensopada? Espera que eu te agradeça pelo estrago que fez no meu vestido! Aliás, esse vestido tem um valor muito alto!

_Vamos fazer o seguinte! _ ele levantou a mão, indicando que era para eu parar de falar. As pessoas que passavam para ir ao banheiro nos olhavam com curiosidade. _ Eu pago um outro vestido.

_Eu disse que tem um valor...

_Eu pago e pronto! Só não posso agora...

_Ah! Tá... _ revirei os olhos e continuei me olhando em desespero.

_Você me liga. _ ele pegou uma caneta do bolso e puxou a minha mão.

_Não vai escrever na minha m...

_Eu estou com pressa. _ ele escreveu o número e saiu correndo.

_Hei! Volta aqui!

Quis chorar. Como eu ia terminar a cobertura naquele estado lastimável! Ele tinha estragado o vestido que minha mãe me dera com tanto carinho.

_Uau, você está com a boca furada. _ Iuri arregalou os olhos quando viu meu estado.

_Não! Um idiota derramou em mim.

_Quem foi?

_Eu não sei, ele deixou o telefone para me dar outro vestido amanhã.

_Bom, nesse caso, do jeito que as pessoas aqui tem dinheiro, pede um bem caro que valha por todo seu guarda-roupa.

_Pode deixar. Ele vai amargar boas cifras por isso!



Li Mendi

(Você gosta dos livros da Li? Entre na comunidade da autora!!! clique aqui)

9 comentários:

Li disse...

Sinto que este esbarrão vai mudar toda a estória hen?!!!
Beijosss meninas!

Deisinha Rocha disse...

oh, si num vai...

só to com pulga atrás da orelha se esse é mesmo o Igor ou não...

hummm...

mas q ela já começou bem, começou...

como tbm acho q o esbarrão foi proposital...
será???

hummmm...

rsrs

bjOo ni vc Li...

Nati disse...

Li, estou com saudades da Jeni e do Ruan, mas a Cris e o Igor já estão ganhando seu espaço!!

Ansiosa pelo proximo capítulo!!

Ah, se o Igor for "o mesmo" como diz a Deisinha, será que tem chance dos pais aparecerem? rs

Beijos =**

Ana Carolina disse...

Tá começando a esquentar...aiii eu matava o ser que entornasse bebida no meu vestido!!!aii que raiva que dá!!!

lulu disse...

Interesserinha ela heim...
Um vestido que valha todo o guarda-roupa!!!
Aiaiaiai...

Laine disse...

Ei Li, me dá o tel dele tb pq me apaixonei por um vestido de 879 reais numa loja, kkkkkkkk! Meu interesse é puramente comercial, PROMETO!!!!

Li disse...

ah mas só depois dele comprar o meu do aspirantado!!! rs
beijos. Li

Lucy disse...

Gente, adorei a descrição dela se arrumando pra festa. Fiquei me imaginando me arrumando pro Aspirantado!!! \o/ Ai que emoção!!! =D

Tomara que ninguém meleque meu vestido no baile!!! hehehe... mas, vamos, vamos ver o que a Cris vai aprontar com o malandro.

Bjo ni vcs!!! \o/

mari disse...

Ahhhh...muito bom.
Tô adorando esse início.

Gurias...quanto aos vestidos do aspirantado...
Não sei onde vai ser esse ano...mas se for uma tenda no campo de futebol como foi ano passado...rezem pra não chover pq, mesmo com as vans levando todo mundo do estacionamento até lá, o chão é q fica uma meleca e ficar andando de um lado pra outro cuidando pra não destruir a barra do vestido é muuuuuuiiiiiito irritante...huahuahauhauha.

Tá chegando hein???
Quantos dias faltam???
Fico muito feliz de a era AMAN na vida do meu love ter terminado mas se tem uma coisa que é boa d+++ nessa fase são os bailes maravilhosos. Qualquer mulher adora se vestir de princesa...huahuahuahau
Bjkitas mil

**LI**
Tá ótimooooo.