31 de mar de 2008

Cap 27: Alvo certeiro (Igor)

Abri o papel para saber se era alguma coisa sem importância deixada por mim em cima da apostila ou se, de fato, como eu suspeitava, alguém jogara pela fresta da porta do armário.

_“1015anonimo, agora você é merecedor”. _ li baixinho e olhei para os lados, percebendo que acabava de ganhar a senha para entrar no mundo paralelo e virtual daquela escola. O número era o mesmo da localização do prédio, o que vim a descobrir na hora da saída, ao encontrar Rui.

_Cuidado com o que vai fazer com isso. _ advertiu.

_Não é anônimo? _ perguntei.

_Sim, mas o efeito reverso da sua vingança pode ser verdadeiro. Cuidado. Não quero me arrepender por ter te revelado.

_Não se preocupe, o meu alvo está bem focado. _ olhei fixamente para o grupo de Tiago.

_Imaginei que ia querer partir para o ataque. _ falou baixinho ao meu lado.

_Para encaçapar a bola preta é preciso uma boa tacada... _ comentei enigmático com um pé apoiado no muro.

_Eu prefiro nem imaginar em que consiste seus requintes de crueldade.

Quando cheguei no dia seguinte à escola, depois de ter ficado de castigo por tempo indeterminado pelo meu pai, eu tinha uma só grande tarefa: mirar com muita concentração a ponta do taco e estudar o melhor ângulo da minha bola tacadeira. Depois, atingir uma a uma: a vermelha (1 ponto), amarela (2), verde (3), marrom (4), azul (5), rosa (6) e finalmente alcançar a preta (7).

Inclinei-me sobre a tarefa e sentei-me atrás de Michele na aula de biologia. Suas amigas se dispuseram ao seu redor, deixando no ar um ruído quase de abelhas zumbindo gritinhos, risos e frases soltas. Por fim, chegou a hora de empurrar o taco e fazê-lo deslizar entre os dedos. Uma última respiração.

_Você vem com a gente hoje para a academia, às cinco?

_Acho que vou mais tarde. _ disse Michele.

_Por quê? Vai encontrar com o Tiago é?

_Não... A gente já não está mais junto. Ele é que ainda se considera meu namorado.

_Então, vai fazer o quê?

_Eu vou estudar, preciso recuperar o tempo perdido. Ficarei na biblioteca.

_Quer que a gente te faça companhia?

_Não, não!

Notei um certo tremor naquela voz e percebi que faltava poucos segundos para as bolas girarem, produzindo um mágico barulho de estalidos. Segui-a pelo corredor, mantendo distância e invisibilidade no formigueiro de alunos. Parei no bebedouro para disfarçar e, por fim, cheguei na frente da porta de vidro da biblioteca. Não entrei. Se alguém me visse poderia me comprometer.

Michele sentou ao fundo e um rapaz de costas para a porta já estava à sua espera.

_Estudando junto, abelha rainha? _ puxei o celular do bolso e ativei a câmera.

Mirei, procurei a melhor posição e... clique.

--> Bastidores: Como assim só “clique”? O que ele vai fazer com isso? Por que sentimos que até a bola preta muitas outras também serão atingidas... hummm, quero mais! Até a próxima.

3 comentários:

Laine disse...

Aaaaaai to amando essa coisa de Gossip Girl, kkkkkkkk!
Tá ótimo Li!!! To loooouca pra saber o resto!!
Beeeeijo

luana disse...

Que maquiavélico!!! adorei
Bem a altura do que fizeram com ele...
Beijos meninas!!!

Sarah disse...

AAAiii esse menino é d++++
to louka p/ saber oq ele fez!!!
conta aí Li conta vai...