29 de abr de 2008

Cap 42: Nó (Cris)

Igor me pareceu pensativo desde que Karen soube da nova relação de trabalho e saiu aborrecida.
_Por onde anda essa cabecinha? _ perguntei e fiz um carinho com a mão no cabelo da sua nuca.

Ele virou o rosto para mim e não quis responder. Beijou-me e continuou calado, só instigando ainda mais meu interesse.

_Pode falar comigo. Aliás, é o que mais fizemos até aqui. _ ri e deixei que nossos dedos se entrelaçassem.

_Nada mais importante que estar com você. _ segurou meu rosto e acariciou minha bochecha com o polegar.

_Não quero que existam barreiras entre nós... _ falei com jeito para não parecer chata.

Igor soltou-me abruptamente e se levantou. Enfiou uma das mãos no bolso de trás e com a outra coçou algum lugar no centro das costas, se contorcendo. Não estava em nada confortável. Andou uns passos à frente e soltou o braço, deixando cair ruidosamente sobre a coxa. Esperei que virasse para mim outra vez.

_Quer almoçar? _ perguntei.

Levantei as sobrancelhas incrédula. Ele não ia dividir comigo o que se passava?

_Quero sim, mas só depois de você sentar aqui e me dizer por que está tão calado! _ falei firme e com a voz um pouco alta.

Igor sentou-se e manteve os cotovelos sobre as pernas olhando diretamente para frente.

_Eu estou comprando uma briga. _ disse como se aquilo só tivesse significado para si mesmo, mas eu suspeitava que se relacionava a sua assessora. _A Karen tem um pouco de razão em sentir-se traída. _ soltou de uma vez o ar dos pulmões e jogou a cabeça para trás, no encosto do sofá.

_Ora, então, por que fez isso?

_Porque eu quero viver sozinho um pouco e ter uma só sombra, a minha.

_Mas o que te impediu de ter isso antes?

_É tão complexo... _ balançou a cabeça para os lados.

Levantei-me e sentei em cima da mesa de centro. Olhei nos olhos de Igor e peguei suas mãos.

_Me explica?

_Você quer mesmo me entender, não é? _ sorriu, desarmado.

_Como posso querer só um pedaço de você? Só um corpo: uma boca, uma mão, um peito? Eu não entrei nisso para ter sua presença social ao meu lado. Eu preciso aprender como você funciona, qual a sua lógica! Nossa relação é um nó frouxo ainda e só com a proximidade ele vai se tornar tão firme que ficará impossível desamarrá-lo!

Igor deu um impulso e se ajoelhou na minha frente para que ficasse na altura de me beijar.

_Você é o que eu precisava. _ encostou sua testa na minha.

Acariciei suas costas e retribui com mais beijos. Puxei-o para o sofá e ficamos deitados entre as almofadas com nossos rostos muito próximos. Igor contornou meu rosto com a ponta dos dedos, como se pudesse decorar o desenho das curvas para reproduzi-lo.

_Não é muito simples minha relação com a Karen. _ ele abaixou os olhos e acariciou minha cintura nua pela blusa um pouco suspensa. _ Não é um mero contrato de trabalho, eu te pago e você faz o que deve. Pronto, acaba e vai embora.

_Eu bem que tentei esse método. _ observei.

_Ainda bem que não conseguiu! _ me encheu de beijos salpicados na boca.

_Você é um patrão muito sedutor. _ ri alto e ficamos ainda mais colados, com as pernas entrelaçadas. _ Para onde foi minha impessoalidade jornalística?

_Ah! Deve ter ficado caída em algum canto lá da sua sala. _ zombou.

_Igor! _ levantei um pouco o rosto e fingi aborrecimento, mas acabei enchendo seu pescoço de beijos e voltei a deitar no seu braço. _ Eu já percebi que a Karen tem um certo domínio sobre tudo aqui. Pelo que me parece, sua família não gosta muito... Luísa, então...

_ Quando eu estava muito mal pela morte da Michele e do meu amigo, comecei a me entregar ao teatro. A Karen me descobriu. Ela tinha uma visão muito otimista sobre mim e me lançou no mercado. De repente, eu era o queridinho dos comerciais e estava fazendo novela.

_Sente que não vai poder nunca retribuir?

_Um pouco isso. Acabo tolerando tudo por comodismo. É muito fácil ter alguém que pensa por você há anos e faz tudo dar certo. Só que isso tira também a minha privacidade. Eu praticamente não tenho nada que só eu saiba. Às vezes, me pergunto o que é só meu e o que é embutido por Karen na minha vida como um anexo à minha personalidade.

_ Então, me escolheu como uma coisa para não partilhar com Karen? _ franzi a testa. _ Você não está me usando para ensiná-la a te dar liberdade de...?

_ Não, não... _ Igor levantou-se e seu rosto ficou acima do meu. _ Cris, eu quero você só para mim. Não me interprete mal, por favor. Não gostaria de fazer um relatório sobre meu relacionamento para Karen passar como release para a imprensa! Não quero os olhos dos outros sobre nós, analisando a gente!

_Nem eu... Mas, será inevitável. Eu tenho tanto medo.

_Não posso mudar o mundo para você, mas você pode mudar meu mundo e já está fazendo isso.

Sorri.

_Exagerado!

_Eu sou mesmo exagerado, por você eu mudaria tudo... _ beijou meu pescoço e me fez fechar os olhos. Puxei sua camisa e joguei para trás.

Ouvimos um barulho na porta da varanda e, de repente, Karen estava em nossa frente. Assustei-me e Igor parou de me beijar.

Nós três nos entreolhamos.



Bastidores= O que Karen estava fazendo ali?!

3 comentários:

Laine disse...

Segurando velaaaa!!! ;P
Beijão Li!!

Deisinha Rocha disse...

oh meu Deusoooohhhh...
o blog de carinha nova e mta coisa pra ler...

mãos a obrasssss...

Deisinha Rocha disse...

pois é...
corri rápidinho e já me atualizei...


agora deve ser a aparte em q a Karen chora e sai correndo...
ou a parte em q ela faz um escandalo???

eita, eita, eitaH!!!!

ta bom demais Li...
bjOo ni vc...