1 de mai de 2008

Cap 44: Quem sou eu aqui (Cris)

Quando a porta se abriu, tive vontade de tampar o rosto com a mão. Meus olhos estavam ofuscados pelos flashs. Sorri para todos e Igor veio ao meu socorro segurar minha mão. Estávamos na entrada de uma boate que fora reservada exclusivamente para o aniversário de uma atriz. Era tão estranho não estar do outro lado do cordão junto com a imprensa, e sim, no tapete vermelho, sendo amparada pelos seguranças em vez de empurrada. Enquanto me ambientava com essa nova realidade, surgiu uma dupla de humoristas de um programa de TV com microfones e câmera.

_E aí, Igor? _ disse um deles com uma voz afetada e a mão quebrando para o lado. _ Quer dizer que agora você está acompanhado? _ perguntou.

Não! Jura? Eu seria o quê? Um poodle que ele não teve com quem deixar em casa? Era irritante como não se dirigiam a mim. Senti-me uma boçal que não é capaz de responder sozinha e precisava de um tradutor.

_É... _ Igor respondeu vagamente e mandou beijos e tchau para as outras lentes que não paravam de clicar.

_E de que você está vestida? _ o outro comediante se dirigiu pela primeira vez a mim.

O que ele esperava que eu dissesse? Ah... de capa de botijão de gás? Ora! Com um vestido vermelho listado.

_Do que acha? _ repassei a pergunta para ele.

_Olha, eu não sei! Mas, como tudo que os estilistas fazem é uma baba, imagino que deve ser o perfex mais caro do mundo! _ caiu na risada.

Eu me limitei a sorrir e olhei para Igor.

_E esse sapatinho baixo! _ fez sinal para que o câmera focasse nos meus pés. _ Gente, que colegial mais despojada. Ela faz todas as suas fantasias? _ colocou o microfone na boca de Igor.

_Ela é completa. _ Igor riu e me puxou para dentro.

Ela é completa? Uau! Quase uma “prostituta com bom qi”! Que horror!

Os dois comediantes nos acompanharam e foi inevitável tê-los nos entrevistando, já que a fila andava devagar.

_Você jogou pedras no telhado dele e agora tá sobre o mesmo teto, como é isso? É ódio e desejo? _ perguntou.

_É o destino. _ respondi.

_E que destino... _ ele se abanou e piscou para a câmera.

_Gente... _ deu um gritinho histérico e saltou como uma rã. _ Olha essa bolsa! _ pegou-a e apontou para a câmera. _ É de camurça, parece aquelas almofadas de sofá de cartomante! E esses brincos? Comprou com aqueles ambulantes das praias de Cabo Frio?

Igor puxou-me pela mão e eu agradeci intimamente por termos entrado na boate logo. Não agüentaria mais um minuto aquelas humilhações.

_Eu não devia ter vindo... _ falei-lhe ao ouvido. _ Não estou bem... _ senti que minhas mãos suavam frio.

_Cris, eles são só humoristas. O que eu te falei no carro? Que você está linda. _ sorriu.

_Eu sei... mas é que isso tudo é muito opressor!

_Eu imaginei que seria assim. Vamos tomar alguma coisa. _ levou-me até o bar.

Enquanto eu bebia um refrigerante, várias amigas de Igor o abraçavam, riam alto e faziam pose para fotos. Uma delas falou em seu ouvido e depois jogou a cabeça para trás em uma gargalhada que poderia ser confundida com uma convulsão.

Eu não era ninguém ali. Queria chorar e sair correndo. Minha vontade era de estar dentro do meu pijama de flanela, comendo pipoca sob o edredom e vendo Telecine.

_Está gostando da festa? _ Igor perguntou.

Sorri apenas, sem palavras. Assim foi toda a noite: ele respondendo aos repórteres as mesmas perguntas e eu ao seu lado como um penduricalho exótico.



Bastidores= Será que depois dessa a Cris resiste? O que será que a Karen vai pensar disso?

3 comentários:

Deisinha Rocha disse...

se prepara Cris...
ki aih vem chumbo grosso...

rsrs

bjOo ni vc Lizinha...

Professora Ana disse...

nossaaaaaaaa!!!!! tremenda prova de fogo!!!! tadinha!!!!!! deu pra sentir na pele o nervosismo dela!! :(

Li disse...

Eita que é só munição na coitadinha.
Vamos ver o que vem por aí.
Beijoos gente!
Lizinha