6 de mai de 2008

Cap 47: Eu te protegi por amor (Igor)

Trilha Sonora do capítulo (clique aqui)

Entramos no meu restaurante preferido e pedimos uma ótima macarronada. Eu estava com muita fome e precisava de muito carboidrato. Cris riu e disse que eu parecia um menino comilão. Acariciei seu rosto e lhe falei ao seu ouvido que a sobremesa seria em sua casa.

_Ah é? _ ela beijou-me de leve e eum antes de fechar os olhos, pude ver um flash de luz.

Em um susto olhei para frente e reparei em um fotógrafo do lado de fora do vidro do restaurante. Fiz uma cara de bravo e me afastei de Cris.

_Que foi?_ ela não entendeu nada.

_Temos companhia!

Ela olhou para trás e constatamos que ele não só tirou fotos como estava filmando todo nosso jantar. Agora tínhamos uma “vela” para nos acompanhar.

_Por isso, que eu não consigo mais nem sair! _ levei as mãos à cabeça.

_Igor. Calma. Está tudo bem. _ Cris falou baixinho perto do meu ouvido e acariciou o cabelo da minha nuca. _ Quer cancelar o pedido? Eles vão entender se a gente explicar... podemos comer lá em casa.

_Não, não... _ respondi rispidamente, descontando a minha raiva nela.

Cris bebeu o copo de água e ficou olhando para o pão em cima da mesa fixamente.

_Desculpe, desculpe, eu sou muito impulsivo!

_Vamos embora...

_Não! Vamos ficar. Não posso deixar de fazer as coisas!

Não foi o melhor almoço. Matei minha fome física, mas minha vontade de ficar em privacidade com Cris não foi saciada. Pelo contrário, ficamos a mercê de muitos flashs.

Antes de entrar no carro, acenei para o fotógrafo que pediu um “beijo” nosso. Respirei fundo e fechei a porta.

_Para minha casa ou a sua? _ perguntei mecanicamente.

_Não íamos ter a sobremesa? _ ela riu.

_Claro. _ liguei o carro.

_Cruzes! Com esse humor só um café preto e amargo, hen!

_Desculpe...

_Vamos para minha casa, então. _ ela mudou de idéia. _Karen estará lá?

_Claro que não!

_Como as coisas mudaram...

_Ela não gostou muito.

_Eu me refiro também a você. Parece mais seguro... Mais bonito...

_Olha, o primeiro elogio que recebo!

_Aaaah, vai ficar me zoando, né?

_Eu posso ficar feliz em receber o primeiro elogio oficial, extra profissional?!

_Metiiiiido. _ ironizou de brincadeira.

_Me sinto tão bem ao seu lado. Sei que suas palavras são verdadeiras.

Quando chegamos, encontramos Karen na sala. Cris me olhou repreensiva.

_Já passou a hora do trabalho. _ falei para Karen.

_Eu sei. Eu queria que a gente visse algumas coisas...

_Não, hoje mais não.

_Como...anh... é...?

_Eu já disse que iremos marcar agora quando formos nos ver.

_Ok, depois não diga que não é importante o que eu tinha para dizer. _ caminhou em direção a porta batendo os saltos, esperando que eu perguntasse o que era.

_Igor, podia ser realmente importante.

_Podia. Mas, a única importante agora é minha sobremesa. _ ri e a puxei pela mão.

Abraçamo-nos e caímos no sofá aos risos.

_Eu queria te falar uma coisa... _ Cris disse.

_Hum.

_Eu pensei muito...

_Ãnh... fala. _ interrompi ansioso. Não agüentava aquelas enrolações de mulher.

_Eu não quero te acompanhar nas festas. Eu sei que isso pode fazer falta, levantar boatos... mas, não me sinto bem dividindo sua atenção.

_Tudo bem. Era só isso?

_Era.

_Então, seja como quiser. _ abracei-a forte e a beijei. _ Você quem manda.

_Eu mando tudo?

_Depende... se for bom...

Rimos.

Quem não encarou nada bem o desejo de Cris foi Karen. Quando combinamos o cachê para ir a uma festa promocional, ela perguntou se eu iria acompanhado. Respondi que Cris não queria participar de minha vida profissional.

_Ela não é a mulher ideal para você.

_Isso não está em discussão agora.

_Eu só falo o que vejo.

_Eu prefiro que, a partir, de hoje se limite a falar o que tem a ver com seu trabalho. Não me considere grosseiro...

_Não, que isso... _ falou irônica revirando os olhos.

_Mas, eu quero viver esse lance sozinho.

_Tudo bem. Eu sou mais experiente e tenho uma visão mais ampla.

_Que seja. Eu quero protegê-la e estou no meu direito.

_Faça como quiser. A imprensa vai falar.

_Que a imprensa se exploda! Eu não estou nem aí. Eles vão falar com ou sem namorada!

_Você está muito mudado. _ ela repetiu a frase de Cris.

_É o amor.

_Amor? Quê?

_Por que o susto?

_Você sempre namora, mas... nunca falou de amor!

_Pois, então, estou falando agora. O amor está modificando a minha vida e eu não quero dividir com ninguém. Nem mesmo em nossas conversas de trabalho.

_Igor, o que está acontecendo?

_Nada. Só isso que falei: estou feliz e não tem preço para negociar a venda dos meus momentos de alegria para revista nenhuma. Entendeu bem?

_Entendi... puxa, mas poderia explorar isso e...

_Eu não quero!

_Tátata... _Mas, continuo achando que Cris não é para você! Ela não entende nada do seu mundo.

_Ótimo, é disso que eu preciso.

Eu queria alguém que me fizesse lembrar daquele garoto Igor do colegial, que era anônimo. Que amasse um simples rapaz qualquer e eu me sentisse livre. Se ela me oferecia isso, eu a protegeria por amor a todo custo. Eu não a colocaria entre meus inimigos. Faria de tudo para que não fizessem de nossa vida uma novela factóide.

Cada um é responsável pelo que faz com sua história e eu não queria deixar mais ninguém escrevê-la. As duas estavam certas: eu tinha mudado. Talvez, ainda não estivesse consciente das proporções da minha virada de personalidade, só podia garantir que estava muito feliz.

Se eu soubesse o preço que teria que pagar por isso, teria aproveitado um pouco mais. Se tivesse lido nos olhos de Karen toda maldade que ali morava... Mas, minha ingenuidade me levou a um caminho que terminava em um desfiladeiro.

Bastidores= O que Igor quis dizer com isso? Hum... Acho que ele ainda tem muito a nos contar... Parece que Karen vai aprontar...

2 comentários:

Laine disse...

Ai Li, eu nao sei, mas me conta logo, pq eu estou virando ao averso de taaaanta curiosidadeee!!
Adoro ler vc!!
Beijão!!

Ana Paula disse...

meninas, todas aqui reunidas no próximo capitulo!! todas desncendo o porrete nessa Karen!!!!!!hauhuahuauha!!!!!!!